Arquivo mensal: Maio 2014

Rota da Seda

Em viagem encontramos pessoas e coisas fantásticas. Vivemos momentos únicos e com sentido.IMG_0245

Em 2011, na companhia do Nuno e da nossa anfitriã, fomos até um espaço zen. Bebemos um chá bastante curioso e aproveitei para colocar questões à proprietária do estabelecimento. Perante a minha curiosidade e interesse demonstrado pelos chás, a senhora decidiu fazer-nos uma surpresa.

- Eu não mostro isto a ninguém – confessou-nos a senhora enquanto desembrulhava, de um invólucro branco, uma peça de arte. – Isto é arte feita de chá. Esta peça era usada como moeda de troca nas rotas comerciais. É muito valiosa e é das poucas que sobreviveram e restaram – eu não podia ter ficado mais deslumbrada.

Três anos depois: encontro-me em Istambul. Vou percorrer bazares que eram pontos de paragem e de troca neste conjunto de rotas comerciais conhecidas pelo nome genérico de Rota da Seda. Quero tentar descobrir, também, se esta peça, que toquei com cuidado e emoção, percorreu, em tempos idos, as cidades por onde irei passar. Quero decifrar os seus símbolos e caracteres junto dos actuais comerciantes. Quero surpreender-me.

Sim: esta peça serve de mote à minha próxima aventura.
Não posso ir de Istambul a Xi´an de uma só vez, mas vou viver o que conseguir de modo intenso.
Até já! ;)

 

As 5 aplicações que mais utilizo em viagem

Quando viajo gosto de estar (des)conectada.

Adoro desligar-me do mundo virtual para me conectar às pessoas e às paisagens que me rodeiam. Gosto de estar disponível e de apreciar cada momento que será único e irrepetível. No entanto, muitas aplicações móveis facilitam a vida dos viajantes. E eu não sou excepção.

Estas são as cinco aplicações que mais utilizo em viagem:

google-translator
- Google Tradutor: As traduções estão disponíveis em 80 idiomas. No entanto, é sempre bom aprender palavras de cortesia e surpreender os locais.

Continuar a ler

Skarv

Apesar de, para mim, esta ave ter sido um símbolo de culto pelo seu exotismo: contaram-me que o Skarv é uma praga para os habitantes locais. Estes corvos-marinhos fazem muita porcaria e roubam os peixes aos pescadores. São safadinhos, hein…

skarv

Although, to me, this bird was a symbol of worship for its exoticness: I was told that the Skarv is a curse for the locals. These cormorants make a lot of crap and steal the fish from the fishermen. Little rascals, hein…

 

Apresento-vos a Batuta

Aquela mochila, a Batuta, já vagueou connosco por mais de 20 países. Já serviu de estendal, almofada, barreira de protecção, cadeira, mesa, etc. Já carregou bens pessoais e, sobretudo, sonhos. É a nossa melhor amiga! E continuará, por muito mais tempo, a integrar as nossas histórias e memórias de viagem.

IMG_1372

That backpack, the Batuta, already wandered with us more than 20 countries. It hasas already formed the drying rack, the cushion, the safety barrier, the chair, the table, etc. It already loaded personal belongings and above all, dreams. It is our best friend! And it will continue for a lot longer, to integrate our travel stories and memories.

Um refrigerante suiço

Quando viajo: adoro ir aos mercados. É lá que descubro o que os locais mais gostam.

Rivella é uma bebida feita à base de soro de leite. É um refrigerante muito apreciado pelos suíços, ao que os estrangeiros torcem o nariz – garantiu-me, ao meu lado, uma consumidora. A verdade é que apreciei o seu sabor e frescura.

A verdade é que acabo sempre por me deliciar e surpreender.

rivella

When I travel: I love going to the markets. That’s where I discover what the locals like the most.

Rivella is a beverage based on milk whey. It is a soda greatly appreciated by the Swiss, but the foreigners, turn up their noses - assured me, next to me, a consumer. The truth is I enjoyed its flavor and freshness.

The truth is that I always end up delighting and astounding me.

 

Minas de sal de Wieliczka

A mina de sal de Wieliczka, na Polónia, é conhecida como a catedral subterrânea do país. É um mundo subterrâneo cuja beleza é estonteante. Labirintos, corredores, lagos, cavernas, igrejas, esculturas… TUDO EM SAL ! ! !

P.S: Tive a oportunidade de passar o dedo por uma das paredes e degustar-lhe o sabor.

mina de sal

Wieliczka, the salt mine in Poland, is known as the underground cathedral of the country. It’s an underground world whose beauty is astonishing. Mazes, hallways, lakes, caves, churches, sculptures… EVERYTHING IN SALT!!!

P.S: I had the opportunity to swipe my finger through one of the walls and taste the flavor.

Uma bebida dinamarquesa

Frughthave Hyldeblomstsaft – é uma bebida doce feita à base de flores de sabugueiro. Na época de verão é bebida fria e de inverno é ingerida quente. Tem um aroma bastante prazeroso. Recomendo.

bebida

Frughthave Hyldeblomstsaft - is a sweet drink made based on elderberry flowers. In the summer season we drink it cold and in winter we ingested it warm. It has a rather pleasant scent. I strongly recommend it.

 

Imprevisto em Coblença

coblençaO meu segundo dia de interrail foi bastante activo e entusiasmante. Apanhámos cinco comboios num só dia. Passámos o dia inteiro em comboios, portanto. Por isso, eu tentava encontrar pessoas para lhes sorrir e, com prudência, iniciar um diálogo. Num desses cinco comboios, sorri e sentei-me ao lado desta senhora. Não falávamos muito bem o inglês, mas a minha vontade de comunicar era imensa e lá nos entendemos. Falámos sobre o nosso destino final, que era semelhante, apesar de termos horários e comboios diferentes para apanhar (acabámos por ir no mesmo comboio, mas esta já é outra história). A certa altura – já estávamos há uns minutos parados dentro do comboio – esta alemã perguntou-me se eu estava a perceber os avisos do interlocutor. Os comunicados eram somente emitidos no idioma local, o alemão. Portanto, eu não fazia a mínima ideia, mas apercebi-me de que algo se estava a passar.

- Ele está a dizer que vamos ficar aqui parados porque o comboio à nossa frente está a arder! Está em chamas!

Depois de saber que, supostamente, ninguém estaria em perigo senti uma adrenalina espectaculosa e sai do vagão para ir averiguar o que se estava a passar no lado de fora.